490 milhões de sacolinhas deixam de ser distribuídas

90% das redes de supermercados aderiram ao banimento em SP, diz Apas Plastivida contesta adesão e informa que 93% criticam a não distribuição, segundo enquete no Facebook
8 de maio de 2012 | 05:55

Os supermercados deixaram de distribuir 490 milhões de sacolinhas plásticas desde o início de abril, quando essas embalagens deixaram de ser usadas no Estado de São Paulo, segundo a Apas. associação do setor.

O número representa adesão de 90% das 1.200 redes (com 2.700 estabelecimentos) filiadas à Apas, de acordo com João Galassi, presidente da associação.

O dado foi divulgado ontem durante a 28a feira do setor, que acontece em São Paulo até quinta-feira.

Os supermercados estimam crescer 4,5% acima da inflação neste ano sobre o resultado de 2011, quando o setor faturou R$ 224 bilhões.

O percentual reflete a média de crescimento, de acordo com pesquisa realizada com 500 supermercados de pequeno a grande portes.

"Os consumidores da nova classe média devem ditar as regras do consumo e sustentar esse desempenho em 2012”, afirma Martinho Paiva Moreira, diretor de economia da associação.

CRÍTICAS

A Plastivida (Instituto Socioambiental dos Plásticos) contesta a adesão divulgada

à campanha da Apas.

"A adesão nas grandes redes pode ser maior, mas muitos mercados de pequeno e médio portes ainda distribuem as sacolinhas, independentemente de serem ou não associados à Apas", afirma Miguel Bahiense, presidente da Plastivida.

Segundo ele, enquete com 455 consumidores na página “Recicle Idéias”, mantida pela entidade no Facebook, mostra que 93% criticaram o banimento da sacolinha e 7% disseram ser favoráveis.

Por CLAUDIA ROLLI DE SÃO PAULO

Seção: Mercados

Fornecedor: Lupa Clipping

Por: Jornal Folha de São Paulo

Fonte: 8 de maio de 2012 09:52

Pesquisar Tags:

Apas, sacolinhas plásticas, supermercados, Plastivida, Facebook, críticas


Permalink |

Comentários

Deixe um comentário
  • Coluna Do Editor

    ...e aqui estamos nós, em 2017!

    Leticia Evelyn Oliva-Cowell
    23 de janeiro de 2017 01:25
    Industria de Alimentos em 2017, nós estaremos acompanhando.