A revolução da agricultura familiar

Hoje estamos em uma encruzilhada: aproximadamente 842 milhões de pessoas sofrem de fome crônica porque não conseguem comer adequadamente, apesar de não haver escassez de alimentos no mundo.
Ilustração
Ilustração
28 de janeiro de 2014 | 12:20

A busca atual é por sistemas agrícolas verdadeiramente sustentáveis, que possam satisfazer as necessidades de alimentos no planeta. E nada se aproxima mais do atual paradigma do que a produção sustentável de alimentos que a agricultura familiar

As Nações Unidas estabeleceram 2014 como Ano Internacional da Agricultura Familiar. É uma oportunidade perfeita para destacar o papel dos agricultores familiares na erradicação da fome e na conservação dos recursos naturais, elementos centrais do futuro sustentável que queremos. 

O apoio à agricultura familiar não faz oposição à agricultura especializada de grande escala, que também tem um papel importante para garantir a produção mundial de alimentos e enfrenta seus próprios desafios, incluindo a adoção de enfoques sustentáveis. 

Temos muito que aprender sobre as práticas sustentáveis dos agricultores familiares, já que a maior parte da experiência mundial em sistemas de agricultura sustentável foi adquirida pela agricultura familiar

De geração em geração, os agricultores familiares transmitem conhecimentos e habilidades, preservando e melhorando muitas das práticas e tecnologias que podem apoiar a sustentabilidade agrícola. 

Com o uso de técnicas inovadoras, como a construção de terraças e a adoção de práticas de lavoura zero, os agricultores familiares conseguiram manter a produção em terras muitas vezes marginais. 

A conservação e o uso sustentável dos recursos naturais têm suas raízes na lógica produtiva da agricultura familiar e essa é a diferença da agricultura especializada de grande escala. A natureza altamente diversificada das atividades agrícolas coloca a agricultura familiar em função central de promoção da sustentabilidade ambiental e na proteção da biodiversidade, e contribui para uma dieta mais saudável e mais equilibrada. 

Os agricultores familiares também têm um papel fundamental nos circuitos locais de produção, comercialização e consumo, que são importantes não só na luta contra a fome, mas também na criação de emprego, geração de renda e no fomento e na diversificação das economias locais. 

Estima-se que existam 500 milhões de tipos de agricultura familiar no mundo, que representam, em média, mais de 80% das explorações agrícolas. Tanto nos países desenvolvidos, como nos em desenvolvimento, são os principais produtores de alimentos de consumo local e os “administradores” principais da segurança alimentar. 

No passado, com bastante frequência, os agricultores familiares eram considerados um problema que tinha que ser solucionado e objeto de políticas sociais com potencial limitado. Essa é a mentalidade que temos que mudar. Os agricultores familiares não são parte do problema. Ao contrário, fazem parte da solução para a segurança alimentar e o desenvolvimento sustentável.

O que os agricultores familiares precisam é similiar em todo o mundo: assitência técnica e políticas baseadas em seus conhecimentos que reforcem o aumento da sustentabilidade da produtividade; tecnologías apropriadas; insumos de qualidade que respondam a suas necesidades e respeitem sua cultura e tradições; especial atenção às mulheres e aos jovens agricultores; fortalecimento das organizações e cooperativas de produtores; melhor acesso à terra, à água, ao crédito e aos mercados, e esforços para melhorar a participação na cadeia de valores. 

O Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014 nos brindará com a oportunidade única de revitalizar esse setor crítico, para o bem da alimentação de toda a humanidade.

Agrônomo, é diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)

Por: JOSÉ GRAZIANO DA SILVA

Fonte: Jornal Correio Brazilense em 28 de janeiro de 2014 12:16

Pesquisar Tags:

Agricultura Familiar, fome, Segurança Alimentar, desenvolvimento, FAO


Permalink |

Comentários

Deixe um comentário
  • Coluna Do Editor

    ...e aqui estamos nós, em 2017!

    Leticia Evelyn Oliva-Cowell
    23 de janeiro de 2017 01:25
    Industria de Alimentos em 2017, nós estaremos acompanhando.