A maioria dos brasileiros gasta menos com entretenimento e refeição fora de casa

A atual desaceleração da economia brasileira força os brasileiros a reduzirem o consumo de muitos produtos e serviços.
4 de fevereiro de 2016 | 20:37

Uma nova pesquisa da Mintel revela que mais de metade dos brasileiros, 56%, atualmente compra menos serviços relacionados a vida cotidiana, como comer fora e entretenimento, em comparação com um ano atrás. Ao analisarmos esses serviços separadamente, a Mintel mostra que 33% dos brasileiros afirmam que estão gastando menos com alimentação fora de casa, como em restaurantes fast-food, 29% estão saindo menos para entretenimento fora da casa e 23%, consumindo menos atividades esportivas, como mensalidade de academia.

Quando  somente as área de alimentação e bebida são pesquisadas, a Mintel revela que a maioria dos brasileiros, 66%, compra a mesma quantidade de produtos em comparação com um ano atrás, enquanto 52% consome menos e 37%, mais. A maior queda é percebida em produtos alimentares não essenciais de marcas conhecidas, como chocolates e biscoitos, área em que 31% dos consumidores dizem consumir a mesma quantidade e 30%, menos. Quando a classe média, grupos socioeconômicos C1 e C2, é analisada separadamente, 65%  gasta o mesmo com comida e bebida, 51% menos e 38%, mais.

A pesquisa Mintel indica que os jovens consumidores de classe média são menos cautelosos do que seus colegas mais velhos. Apesar de uma queda nos padrões de consumo em todos os grupos pesquisados, os consumidores mais jovens, com idades entre 16 e 34, estão comprando mais em todas as categorias, quando comparado ao consumidor de 35 anos ou mais. As categorias em que estão gastando mais incluem, por exemplo, produtos não essenciais de marcas conhecidas, afirmada por 27% dos jovens, e comer fora em restaurantes de fast food, dita por 24%.

“Como a maioria dos consumidores, atualmente, compra a mesma quantidade ou menos comparado há um ano, as empresas devem se adaptar a essa realidade. Ao mesmo tempo que vemos o número de opções de serviços e produtos crescer, os consumidores limitam os seus gastos devido à recessão. Assim, empresas e marcas que consigam criar experiências inesquecíveis e originais podem ter sucesso em atrair e manter a atenção dos consumidores. Elas precisam ser criativas para conquistá-los. Nesse contexto, há oportunidades para parcerias para que ofereçam, por exemplo, promoções ou descontos relacionados a atividades de lazer e saídas para comer fora”, afirma Andre Euphrasio, analista de Pesquisa da Mintel.

Diante do atual clima econômico, os consumidores de classe média estão mais dependentes de seus cartões de crédito. A pesquisa Mintel revela que 18% dos consumidores dos grupos socioeconômicos C1C2s dizem que dependem mais dos cartões de crédito em comparação com um ano atrás. Por sinal, essa dependência é ainda maior entre os grupos ABs, chegando a 21%.

Alguns consumidores precisam contar com membros da família e amigos para enfrentarem os tempos difíceis. Por sinal, 18% dos brasileiros, incluindo 16% dos grupos ABs, 18% dos C1C2s e 21% dos DEs concordam com a frase:  "Tenho dificuldade em arcar com meus gastos totais, sem pedir ajuda financeira para outras pessoas (por exemplo, meus pais, parentes)". Mas apesar de enfrentar dificuldades financeiras, o consumidor de classe média não está trocando seus serviços por opções mais baratas. A pesquisa mostra que apenas 11% dos consumidores C1C2s dizem ter mudado o fornecedor de um serviço por um outro mais barato, como TV paga, academia e saúde privada. Entre as classes AB, esse índice é de 20%.

A Mintel também revela que a sustentabilidade é importante para o consumidor brasileiro. Um quarto, 25%, dos consumidores, incluindo um em cada cinco, 21%, dentro dos grupos C1C2s concordam com a afirmação:  "É nossa responsabilidade como cidadãos usar mais produtos que possam ajudar na preservação do meio ambiente."

"Como vários consumidores estão mais dependentes de cartões de crédito, eles podem querer experimentar opções mais baratas e mais práticas, tais como serviços de crédito acessível e conveniente por meio de um aplicativo de celular, com taxas de juros mais baixas e excelente serviço ao cliente. Acrescentando, a pesquisa mostra que alguns consumidores de classe média não estão à procura de alternativas mais baratas para serviços ligados a vida cotidiana, possivelmente devido ao fato de que eles acham que vai ser inconveniente fazer alterações ou não estão dispostos a gastar tempo procurando alternativas mais baratas. Por isso, as empresas que oferecem melhores ofertas do que seus concorrentes devem investir em atrair consumidores e mostrar que vale a pena trocar de provedor. E apesar do clima econômico atual, os brasileiros estão dando importância à sustentabilidade. Os consumidores modernos estão aprendendo que ser ecológico não é somente bom para o planeta, mas também para o bolso. Assim, empresas e marcas que lançarem produtos que conjuguem essas duas características, terão chance de se sobressaírem no mercado”, finaliza Euphrasio.

Sobre Mintel

A Mintel é a agência líder mundial em inteligência de mercado. Por mais de 40 anos, as análises da Mintel, feitas a partir de pesquisa de mercado com dados da mais alta qualidade, têm impactado no sucesso de nossos clientes. Com escritórios em Chicago, Nova York, Londres, Sydney, Xangai, Tóquio, São Paulo, Mumbai, Munique, Kuala Lumpur, Toronto, Belfast e Singapura, a Mintel moldou uma reputação de uma marca mundial renomada. Para mais informações sobre a Mintel, por favor visite brasil.mintel.com.​

Por: Emerson Zanette

Fonte: MIntel em 4 de fevereiro de 2016 20:32

Pesquisar Tags:

Mintel, inteligência de mercado


Permalink |

Comentários

Deixe um comentário
  • Coluna Do Editor

    ...e aqui estamos nós, em 2017!

    Leticia Evelyn Oliva-Cowell
    23 de janeiro de 2017 01:25
    Industria de Alimentos em 2017, nós estaremos acompanhando.